Criar meios de inovar, se reinventar e manter o crescimento dos negócios no momento de passar o bastão para as novas gerações, estão entre os maiores desafios das organizações familiares. Não por acaso, apenas 12% desses empreendimentos passam da terceira geração, de acordo com a Pesquisa de Empresas Familiares no Brasil, publicada pela PWC em 2016. Mas esse cenário pode ser ainda mais grave no contexto da 4ª Revolução Industrial, que exige cada vez mais velocidade na adaptação de processos, adoção de novas tecnologias e metodologias de gestão.