Publicado em 14 Janeiro 2016

As provas já não são escritas à mão e reproduzidas no mimeógrafo. Hoje, elas são digitadas no computador, replicadas na máquina de xerox e aplicadas aos alunos. Da mesma forma, a pesquisa dos estudantes para as disciplinas quase não são feitas na biblioteca em livros físicos e pesados, mas na internet por meio do computador particular, laboratório de informática da escola ou, claro, por meio dos smartphones.

Que a tecnologia tem ajudado a educação a melhorar, todo mundo já sabia, mas o que ainda não é de conhecimento de todos é que o Google tem trabalhado para ir além das pesquisas dos alunos e investido no aplicativo Google for Education que promete criar um ambiente virtual de aprendizagem.

Ele contribui para que os professores enviem tarefas para os alunos, tirem dúvidas e utilizem todos os recursos dos Hangouts para melhorar a aprendizagem dos alunos. Com essa ferramenta de stream de vídeo, o educador pode, por exemplo, convidar algum pesquisador para palestras para a turma ou criar um fórum de discussão acerca de algum assunto. Além disso, o Google for Education faz com que a escola economize dinheiro, aumente o desempenho dos estudantes e prepara os alunos para comunicação digital que ultrapassa os muros das instituições de ensino.

Se você ficou interessado e quer saber o porquê das escolas buscarem o Google for Education para melhorar o sistema de ensino, continue a leitura desse artigo.

Economia

O primeiro obstáculo em se investir em tecnologia é na maioria das vezes o dinheiro. Você vai aplicar seu dinheiro em um sistema de e-mails para que os professores não usem os endereços pessoais. Contratar esse serviço também necessita da ajuda de um profissional de TI para resolver problemas — mas o Google for Education é uma ferramenta gratuita e com suporte 24 horas.

Nos Estados Unidos, as cifras economizadas já começaram a aparecer: o Departamento de Educação de Oregon, por exemplo, diz economizar U$ 1,5 milhão ao ano com ajuda da plataforma. Já uma escola em Illinois, economizou U$ 160 mil por ano. No Brasil, o serviço começou a ser oferecido em 2015 e o Google fechou uma parceria com as escolas públicas para utilizarem o aplicativo. No total, são 67 escolas, 19 mil alunos e 1.500 professores envolvidos no projeto — ainda não foram publicados resultados desse projeto.

Motivação acadêmica

A escola mudou e as aulas não precisam ter o formato padrão de professor escrevendo no quadro e alunos sentados copiando. Os profissionais podem usar aplicativos, vídeos, infográficos, games e outros meios para deixar as aulas mais dinâmicas e prenderem a atenção dos alunos. Pesquisas têm mostrado que aulas com computadores ligados à internet despertam o interesse dos estudantes em aprender a disciplina. Na escola intermediária de Nova York, os alunos melhoram em leitura e matemática.

Além disso, o professor pode usar os recursos do Hangout de divisão de tela para mostrar o seu computador ou disponibilizar as apresentações via o aplicativo Google for Education, permitindo que o tempo em sala de aula pode ser melhor utilizado.

Mundo real

O estudante passou a vida escolar inteira com papel e caneta e como vai enfrentar o mercado de trabalho que está cada dia mais exigente e tecnológico? O Google for Education ajuda a preparar a criança para um futuro que está acontecendo agora, afinal os “Millennials” já nasceram dando cliques na internet e a escola não pode ignorar a realidade do novo estudante. O essencial é que essas tecnologias sejam aprendidas durante a escola básica para que o aluno não tenha que sair dela e precisar de cursos extras de informática.

A tecnologia pode ser explorada nos experimentos da aula de ciências, nas rochas estudadas na aula de geografia e, claro, nas aulas de português e matemática também.

Se você gostou do Google for Education e quer conhecer mais sobre os aplicativos do Google,saiba por que ele vale a pena!

 

QI_CTA_GuiaIProfessores