Publicado em 26 fevereiro 2020

As atividades do setor de TI se tornaram mais estratégicas e menos operacionais. Isso tem sido possível por meio do uso de ferramentas que promovem a automatização de diversas atividades, que são importantes para a empresa, mas consumiam tempo desnecessário dos profissionais. Ao tornar a TI estratégica, ganhos significativos são percebidos.

Uma TI estratégica pensa no negócio como um todo, identificando recursos e soluções que tornarão o trabalho de todos mais produtivo, efetivo e menos custoso. É um olhar dedicado para cada setor, que tem o objetivo de otimizar as tarefas por meio da tecnologia. Um pensamento que é cada vez mais demandando dos gestores especialistas em TI.

Entretanto, a TI pode enfrentar certa dificuldade para mostrar quanto a empresa tem crescido ou consegue crescer com as ações que estão sendo implementadas pelos profissionais. Novos conceitos podem solucionar esse problema, pois permitem que a TI tenha uma visão de como e quanto está contribuindo com o negócio. Saiba mais sobre esse tema a seguir.

Como a TI estratégica potencializa os resultados da empresa?

Quando pensamos no departamento de TI da empresa é natural associar as atividades com manutenção, infraestrutura e suporte. Ou seja, assuntos mais técnicos. Esse comportamento é natural, pois por muito tempo essa era a função da TI. Entretanto, com a evolução da tecnologia e a inovação em diferentes campos, a gestão de TI deixou de ser um papel apenas operacional.

Novos recursos permitiram uma evolução da área de TI. O uso de ferramentas inovadoras e conectadas possibilitaram que metodologias ultrapassadas fossem eliminadas, aumentando a produtividade e tornando o negócio mais competitivo. Dessa forma, o papel dos profissionais de TI se tornou mais estratégico.

Um levantamento realizado pelo Gartner mostra que essa é uma tendência em expansão. Segundo a empresa, até 2021 40% dos profissionais de equipes de TI vão desempenhar atividades mais estratégicas para a empresa de uma forma geral.

Apesar de ser um modelo que já vem sendo adotado pelas empresas, mostrar o valor de uma TI estratégica não é tão simples. Os indicadores de desempenho da TI conseguem apresentar os resultados das atividades do setor de forma direta. Porém, não são capazes de mostrar qual é o impacto em outros aspectos do negócio, como na área financeira ou de vendas, por exemplo.

Pensando nisso, o Gartner introduziu um conceito, baseado em BVD (Business Value Dashboards), que permite ao gestor de TI entender e apresentar os impactos que uma equipe estratégica têm sobre os resultados da empresa, o IOBVD.

O que é IOBVD?

Infrastructure and Operations Business Value Dashboards (IOBVD) é um conceito que foi criado para permitir que a TI estratégica possa identificar e apresentar os resultados de suas ações nos negócios das empresas. Por meio de um cruzamento de métricas de Infraestrutura e Operações com indicadores financeiros, é possível entregar uma visão detalhada de como as atividades do setor estão contribuindo para negócio. 

Em geral, os métodos tradicionais apresentam resultados operacionais. O IOBVD atua de forma diferente, cruzando dados financeiros, comerciais, logísticos e de outras áreas do negócio para entregar os resultados das ações realizadas pela TI estratégica. 

Um exemplo do uso de IOBVD é quando a empresa tem um impacto negativo em seu faturamento e é possível identificar se o resultado foi gerado por uma falha operacional de sistema ou pela indisponibilidade de uma aplicação. Outro exemplo é quando há redução nas vendas. O conceito consegue apresentar dados que mostram se houve uma queda na demanda ou se o problema foi causado por uma falha na operação ou na infraestrutura de TI. 

As informações que são obtidas pelo IOBVD permitem que a empresa atinja um nível de maturidade maior em relação às análises sobre as áreas de TI e Operacional. Com isso, é possível adaptar as atividades do setor e investir em ações mais direcionadas e em conformidade com os objetivos da empresa.

Ferramentas digitais para o IOBVD


Para viabilizar o IOBVD, é essencial contar com ferramentas e sistemas que viabilizam a integração de dados, ampliam a mobilidade para acesso e análise das informações. Com plataformas adequadas e sistemas em nuvem, por exemplo, esse processo se torna ainda mais facilitado, potencializando as ações de uma TI cada vez mais estratégica. 

Essa integração de dados permite aos gestores ter uma visão prática de como a áreas de TI,  Infraestrutura e Operações estão contribuindo para os resultados da empresa. Dessa forma, o gestor pode tomar uma posição mais tática dentro da empresa, auxiliando na tomada de decisão de outros gestores e atraindo maiores investimentos para a área de TI.



Vale lembrar que o uso do IOBVD não elimina a necessidade do uso dos indicadores de desempenho de TI. Pelo contrário, os dois métodos devem ser utilizados de forma conjunta. Um apresenta os resultados mais estratégicos e o outro os dados mais operacionais. Ambos serão necessários para o desenvolvimento das novas ações e estratégias da empresa.



Para isso é essencial contar com processos e ferramentas digitais automatizadas, que garantam o máximo de eficiência para realizar a gestão do negócio, acompanhar os indicadores e ainda demonstrar o valor para outras áreas da empresa. A partir de metodologias ágeis, como do programa de Sprints da Qi Network, é possível aprimorar e personalizar as ferramentas do G Suite para obter o máximo de produtividade do setor de TI.



Quer saber mais sobre o nosso programa de Sprints? Então, leia os seguintes materiais:

Qi Cloud Sprints: automação de processos no G Suite
Gestão de equipes de TI: 4 maneiras de controlar projetos com ferramentas digitais
Customização da nuvem: integre soluções e aperfeiçoe sistemas digitais com o G Suite

Se tiver qualquer dúvida, entre em contato com os nossos especialistas.